História e Arte das Vestes Sagradas

A exposição Vestes Sagradas traz antigas peças do vestuário utilizado pelos sacerdotes nas celebrações litúrgicas, em uma evidência da interação entre arte, história, liturgia e teologia.

Estas vestimentas, usadas nas celebrações litúrgicas da Igreja Católica desde os seus primórdios, evoluíram de acordo com a maior riqueza e brilho conferido aos cultos, passando a ser consideradas como arte.

A evolução da arte da confecção de tais paramentos, seja na tecnologia, seja na ornamentação, pode ser apreciada nesta exposição, que inclui uma Linha do Tempo e apresenta os mais destacados momentos da arte sacra em vestimentas e tecelagem.

As peças têxteis apresentam-se contextualizadas e ambientadas. Mas não apenas a igreja católica romana: também a igreja cristã oriental, em seus ritos bizantinos e russos, está representada em Vestes Sagradas, bem como análises estéticas de obras têxteis, apontamentos sobre os símbolos utilizados nos ritos, modelos de vestes renascentistas e medievais.

Com o avanço das técnicas de tecelagem, as vestimentas utilizadas nas cerimônias religiosas modificaram-se, passando a usar tecidos como as sedas, os brocados e os veludos.

Na ornamentação, passaram a ser utilizados bordados e aplicações em ouro e prata, novos pontos foram criados especialmente por hábeis e devotas mãos – inicialmente de religiosas, mais tarde por artesãos e mesmo empresas especializadas. Uma forma de enobrecer a simbologia do ideário religioso, simbologia esta também apresentada em suas cores e formas em Vestes Sagradas.